Tecido de plantas? Sim, temos !

Tecido de plantas? Sim, temos !

Boa tarde pessoal!

Todo mundo sabe do crescimento das redes de fast fashion pelo mundo inteiro..Mas vocês já sabiam que a moda é a segunda indústria (depois do petróleo) que é mais poluente? Poisé… Além de ser a segunda que mais desperdiça e consome água e número #1 em questão de obsolescência programada.

Vamos falar do poliéster, por exemplo, é proveniente do petróleo e é a fibra mais usada no meio têxtil. É um tecido muito fácil de ser usado, pois seca rápido, não amassa, é reciclável, é leve, etc. Entretanto, sua fabricação requer muito a utilização de água e energia, e quando vai ser reciclado, leva décadas para se decompor.
Hoje em dia, os meios sustentáveis estão com tudo! Existe no mercado a fibra de ácido polilático (PLA) que é semelhante ao poliéster, porém vem de plantas como milho, trigo, beterraba ou a cana-de-açúcar.

Que legal não é mesmo?! E que solução bacana para ajudarmos cada vez mais o meio ambiente.

Além disso, criaram um novo tecido sintético, chamado INGEO, o qual também é criado com qualquer uma das 4 plantas citadas a cima e que é muito resistente, confortável, absorve a umidade, é naturalmente isolante, resiste a odores, tinge rapidamente, é livre de rugas, resistente a manchas, não encolhe, seca rapidamente, mais respirável do que o poliéster, não da pilling, ideal para todos os climas, resistente ao raios UV naturais e é biodegradável!

Nossa, quantas características boas pra um só tecido!!

As matérias-primas são feitas a partir da fermentação do açúcar extraído do milho e depois convertida em fibra para criar os tecidos. Além de roupas, podem ser feitos bioplásticos para embalagens, eletroeletrônicos e talheres biodegradáveis. Quando a peça for para no aterro, só demorará de 60 a 90 dias para de decompor.

O que vocês acharam?

2

 

Eu simplesmente adorei!!

Beijos da Cons



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


USAItalyGerman